Suicídio e a prevenção.


Precisei escrever um artigo hoje sobre Capelania Hospitalar e mencionei um fato relacionado a uma tentativa de suicídio.
Por coincidência ou não, recebi este vídeo logo depois pelo Whatsapp e compartilhei aqui, para tratar mais um pouco sobre o assunto.
Quem já presenciou um suicídio com certeza se sentiu muito mal, porque é mais traumático que presenciar uma morte em consequência de um acidente ou um crime.
Era final de ano, época de festas natalinas e ano novo, eu estava no 25º andar de um prédio na Rua das Palmeiras, Bairro Santa Cecília.
Distraidamente estava ao computador quando escutei um baque surdo que me causou mal estar.
Era muito comum algum barulho pois estava no quarto e dava para o fundo do nosso prédio onde havia uma quadra que também fazia fundo com outro prédio da rua paralela.
Dentre tantos ruídos aquele me incomodou e fui até a janela e olhei para baixo, estava escuro e não havia movimentação na quadra, vi como que um pano branco apenas.
Chamei minha esposa para olhar e ela também enxergou apenas um pano.
Mas logo depois começamos a ver luzes se acendendo e pessoas se aproximando das janelas, algumas luzes da quadra se acenderam e vislumbramos o vulto de uma jovem esguia, de camiseta branca e caída como se fora um boneco de pano.
Soubemos que ela havia pulado do 12º andar do prédio ao fundo, havia uma rede de proteção sobre a quadra, mas rompeu-se e ela ainda estava viva mas agonizante.
Mais um pouco e chegaram os bombeiros e vi também câmeras de TV, porém não puderam fazer muito pois a jovem não sobrevivera.
Quanto a TV, nada foi noticiado, pois acredito que somente noticiariam caso ela tivesse sobrevivido, e vim a saber que é proibido noticiar suicídios na imprensa, pois por incrível que pareça acreditavam que noticiar iria estimular a outros potenciais suicidas a fazer o mesmo.
Por isso antigamente não se falava muito em suicídio na imprensa.
O vídeo acima foi produzido pela Policia Militar, e bem se vê que suicídios acontecem muito mais que imaginamos e dizem que pelo menos 90% poderiam ser evitados.
O Bairro Santa Cecília, vim a saber depois, era o local de maior índice de suicídios em São Paulo, talvez devido a muitas pessoas que residiam só e a solidão se manifestava mais em ocasiões festivas como dia da mães, dia dos pais, natal, dia dos namorados, etc.
Claro que no caso da jovem não ficamos sabendo das circunstâncias, exceto sobre sua idade que era de 12 anos e que morava apenas com o pai.
Casualmente morei em um bairro na Cidade de Franca por algum tempo e neste bairro também havia este índice de suicídios elevado, na zona norte de Franca.
O motivo destas regiões mais afetadas pode ser interpretado de diversas maneiras, e particularmente não ouso emitir minha opinião a respeito.
Mas focados ainda no assunto suicídio observamos que no Brasil, enquanto a região Sudeste concentra 38% dos suicídios e 42% da população, a região sul, com apenas 14% da população concentra 23% dos suicídios.
Quando se trata de tentativa de suicídio não consumada, o maior número de casos, de ambos os sexos, esteve entre pessoas de 20 a 29 anos, seguido pelos grupos de 30 a 39 anos e o de 40 a 49 anos, conforme dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do MS.
Já em relação aos óbitos por violência autoprovocada, o público masculino é maioria: das 633 mortes registradas em 2016, 488 eram de homens e 145 de mulheres. A faixa etária também difere nesses casos. O Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) aponta que a maior parte das pessoas que cometeram suicídio tinha entre 50 e 59 anos (145), seguidas pelo grupo com idade entre 40 a 49 anos (131) e os de 30 a 39 anos (115).
“Precisamos conhecer essa triste realidade para poder desenvolver ações e atitudes para prevenção do suicídio, que é um grave problema de saúde pública no estado e em todo o país”, alerta Eduardo Macário, diretor da Dive, reforçando o apoio do órgão ao movimento Setembro Amarelo, liderado pelo Centro de Valorização da Vida (CVV).
A Secretaria de Estado da Saúde reforça que os serviços de saúde devem manter elevado nível de suspeição diante de casos de lesões, envenenamento ou intoxicação que possam se caracterizar como violência autoprovocada. “Recomendamos que profissionais de saúde abordem as pessoas e seus acompanhantes a respeito das causas do agravo com o objetivo de confirmar ou descartar a suspeita”, explica Eduardo Macário.
O mês de setembro é o mês escolhido para o combate ao suicídio.
O suicídio tem atingido pessoas de todas as classes sociais e intelectuais, inclusive líderes religiosos, até mesmo a muitos pastores evangélicos.
A taxa de mortalidade por suicídio entre os homens foi quatro vezes maior que a das mulheres.  
Cerca de 11 mil pessoas morrem por suicídio no Brasil a cada ano, sendo que a taxa de mortalidade entre os homens é quatro vezes maior.
Pasme, mas no mundo, suicídio é a segunda causa de morte entre os jovens de 15 a 29 anos, somente atrás de acidentes de trabalho.
O suicídio mata uma pessoa a cada 40 segundos no mundo.
Quantos se mataram enquanto você lê este texto.
Conheça os grupos de Risco:
Suicídio é 5 vezes maior entre médicos, de 2 a 7 vezes maior entre presos e moradores de rua, e 5 vezes maior entre gays e bissexuais.
Presume-se que a auto aceitação e o stress, bem como decepções e rancores sejam parte desta causa.
Escrevi este texto para estimular a você a lembrar de se atentar aos que te cercam no dia a dia e perceber variações de humor e depressão, seja um ombro amigo e tenha ouvidos para ouvir os que precisam falar de suas angustias.
Os suicidas podem estar entre seus parentes próximos, amigos, vizinhos, colegas de trabalho, preste atenção às pessoas.
Meu primo certa feita estava caminhando pelo Viaduto do Chá, em SP, e em certa época aquele lugar era escolhido por suicidas.
Caminhando no sentido contrário a ele vinha uma jovem que foi se aproximando do parapeito, ele vinha distraído mas naquele momento pressentiu algo e apressou o passo alcançando a jovem antes que ela pulasse do viaduto.
Conversou com ela, orou e ela foi resgatada daquela situação de desespero.
Lembre-se de olhar ao seu redor exatamente agora e observar as pessoas, seja onde for.
Lembre-se de ligar para aquele amigo distante ou aquele parente distante que você sabe que vive sozinho ou passa por dificuldades.
Entre os meses de abril e maio de 2017 houveram 1.230.197 menções a suicídio nas redes sociais e o Brasil é o oitavo país com mais suicídios no planeta.
E, se você é alguém que já pensou ou está pensando em tirar a própria vida, saiba que muitos passam por estes momentos e tiveram ou tem tais pensamentos.
Reaja e como diz o vídeo da Policia Militar:
“Sua vida não é somente sua!”
Deus te abençôe
Pr. Daniel Ferreira
secretaria@ageas.com.br
11 98384-8275 (Whatsapp)
AGEAS – Agencia Evangélica de Ação Social
www.ageas.com.br

Veja também o Post ao qual me referi no início deste artigo:
Histórias de Capelania – As TVs e a Suicida

Assista agora a Aula 1

Pr. Daniel Ferreira

Sobre o pastor Daniel Ferreira de Souza: – Pastor desde 1985 ( pela Church of God in Christ) - Atualmente servindo como Pastor na Sede da Convenção Estadual das Igrejas O Brasil para Cristo no Estado de São Paulo. – Casado com a Missª Irene ha 38 anos, são pais de Fabio (37) e Keila (32) e avós de Caio – Bacharel em Teologia (FTSA) – Psicanalista Clínico – Escritor e Palestrante.

Website: http://www.igrejaatuante.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*